Posts Tagged ‘Linha de Produção’

Post PPS-like do dia

quarta-feira, 30 \30\-03:00 julho \30\-03:00 2008

Essa história eu ouvi no trabalho. O amigo que me contou disse que ouviu de um cara superconfiável, o que já reduz bastante a confiabilidade da história. De qualquer forma, é bem interessante, mesmo se não for factual.

Na linha de produção de cremes dentais de uma grande empresa, algumas caixinhas de papelão chegavam vazias, sem nenhum tubo de creme dental, às embalagens de atacado. Não era um problema sério: embora essas caixinhas cheguassem mesmo às prateleiras dos mercados, bastava o cliente deixá-las de lado e pegar outra caixinha.

Entretanto, com o advento do Código de Defesa do Consumidor, essa situação tornou-se um problema sério. A empresa, então, contratou dois engenheiros para analisar a situação e propor uma solução. Depois de um bom tempo e alguns milhões de reais gastos, os engenheiros propuseram um sistema no qual as caixinhas passariam por uma balança e, se seu peso não estivesse em uma faixa aceitável, um braço mecânico descartaria a embalagem.

Implantou-se o sistema. Depois de dois meses, foram analisar sua eficácia. As estatísticas eram bastante positivas: nenhuma caixinha vazia chegou ao final da linha de produção! Mas aí alguém nota algo bem estranho: os relatórios indicavam que o novo sistema estava desligado esse tempo todo!

Diretores procuram outros diretores que procuram gerentes que procuram supervisores… até que, enfim, vão perguntar aos funcionários se algo de estranho havia ocorrido. Um funcionário responde:

É, desligamos o sistema. Ele dava muito problema, não funcionava direito, estava reduzindo a produtividade.

Os diretores perguntam, então:

Mas, então, o que vocês fizeram para que as caixas vazias descartadas?

O funcionário fala:

Bem, nós fizemos uma vaquinha e compramos um ventilador. Agora, basta deixá-lo ligado ao fim da linha de montagem que as caixas vazias são jogadas para fora.

RA!

Essa história me parece, no mínimo, enfeitada; entretanto, a técnica faz bastante sentido e, no final, é uma boa fábuloa sobre o do-it-yourself.


%d blogueiros gostam disto: